quinta-feira, 2 de setembro de 2010

Aula de Campo


Na manhã desta terça feira (31) de agosto os estudantes do 5º ano da Escola Estadual Profº Severino Bezerra de Melo visitaram o Barco Escola Chama- maré. A aula passeio tinha como objetivo trabalhar a temática “Meio Ambiente ou Educação Ambiental” já que o Barco Escola mostra aspectos problemáticos da vida do estuário do Rio Potengi e do bioma de manguezais que encontra-se nas margens da zona norte da cidade. A aula passeio também trabalha questões da História e Geografia da cidade do Natal, seu crescimento urbanístico as margens do potengi que em Tupi Guarani significa rio de camarão. A História da cidade é trabalhada de forma lúdica e expositiva para os visitante/viajantes do Barco Escola, contos de Historiador Luiz da Câmara Cascudo são recitados durante toda a aula e até uma poesia do mestre Dorian Gray Caldas e recitado em bom tom pelos instrutores e professores da Escola flutuante.

O Barco-escola Chama-maré é uma das ações desenvolvidas pelo Programa Potengi Vivo, do Instituto de Defesa do Meio Ambiente do Rio Grande do Norte - IDEMA, em parceria com a Fundação para o Desenvolvimento Sustentável da Terra Potiguar – FUNDEP, da Universidade Potiguar – UnP, visando à recuperação do estuário Potengi.

Tem como objetivo principal proporcionar aos estudantes e professores da rede pública e privada de ensino do Rio Grande do Norte e da sociedade civil, uma estrutura flutuante que funcione como espaço pedagógico de educação ambiental, voltado para uma visão crítica e reflexiva sobre questões ambientais do rio Potengi, privilegiando a região do seu estuário, dentro de uma perspectiva multidisciplinar, abordando aspectos ambientais, bio-ecológicos, históricos, culturais, geográficos, econômicos e sociais.

As aulas acontecem seguindo um roteiro construído pela equipe pedagógica do Barco-escola. Com a orientação dos professores e monitores, os visitantes fazem a leitura da paisagem que se apresenta no percurso. Entre os vários elementos vivenciados na paisagem, destacam-se a presença do pescador fazendo a pesca de subsistência, com a captura de peixes como a jinga, sardinha, tainha, ariocó, peixe espada, raias, cação, carapeba, entre outros, como também a presença dos catadores de caranguejos e das marisqueiras.

Para o professor Cleyton Araújo da Escola Severino Bezerra de Mãe Luiza aquém levou seus alunos à idéia do barco é bastante importante para trabalha-se a “Educação Ambiental” já que na viagem os visitantes podem ver o que acontece quando uma cidade cresce sem preocupa-se com os aspectos naturais e geográficos do seu entorno. “A cidade só cresce e não é trabalhado o saneamento, coleta correta do lixo e principalmente um maior respeito ao rio que tanto foi e é importante para a nossa capital, os bairros da cidade jogam esgoto sem tratamento algum nas águas do (Potengi amado) o que mais me incomoda é a falta de respeito dos governantes da cidade e do estado. Não é trabalhado uma questão que revitalize a vida no rio, tenho medo que nosso potengi vire um velho Tietê lá da grande São Paulo. Mas o rio tem grandes esperança de vida, ao visitá-lo vejo que a vida marinha sobrevive e ainda tem grande força e beleza.” fala Professor Cleyton Araújo que já é a segunda vez que vem ao barco e voltará na próxima semana com os colegas do curso de pedagogia.